Camaçari Diário - Conteúdo interativo de notícias, vídeos, esportes, lazer, blogs e jornalismo
10 de dezembro de 2010 10:52

Ronda policial de Parafuso será monitorada eletronicamente

Serão instalados 10 pontos de controle do bastão eletrônico no distrito

Por Editor
 
O kit do bastão eletrônico foi entregue a comunidade de Parafuso. (Foto: André Damasceno)  

Na noite da última quinta-feira (09), os moradores de Parafuso, distrito de Camaçari, conheceram o projeto da ROME (Ronda Ostensiva de Monitoramento Eletrônico)realizada através do BMAP (Bastão de Monitoramento de Ações Policiais), projeto pioneiro no país, criado pelo tenente coronel Ivanildo Castro, comandante do 12° Batalhão da Política Militar de Camaçari.

Atendendo ao pedido do vereador Alfredo Andrade (PSB), o bastão eletrônico, como ficou conhecido, será utilizado para o policiamento de Parafuso. “Para mim é uma grande satisfação ver que o tenente coronel Castro atendeu nosso pedido. O distrito de Parafuso é de suma importância para nossa cidade e estava sofrendo muito com a marginalidade. Com a retirada do módulo policial daqui, tínhamos que fazer algo. E nada melhor do que instalar a ronda monitorada pelo bastão eletrônico na localidade”, afirmou.

 
Tenente coronel Ivanildo Castro. Criador do BMAP. (Foto: André Damasceno)  

Ao todo serão instalados 10 pontos de monitoramento em Parafuso. Estes pontos estarão em escolas, casas comerciais e demais estabelecimentos. Os policiais terão que obedecer um percurso traçado pelo comando a cada hora. No final do dia os dados serão transmitidos para um notebook, onde está instalado o programa que comanda todo o sistema de gerenciamento para conferir se a ronda ocorreu e o que ocorreu durante a mesma.

De acordo com o tenente coronel Castro, “nesta sexta-feira estalaremos os 10 pontos e a ronda começa imediatamente. Por enquanto nossos policiais estarão rodando a pé. Mas, eu prometo e garanto que no final de fevereiro ou início de março eu enviarei uma viatura para ficar à disposição da localidade. Mas, saibam que através da ronda monitorada eu terei até como saber onde há lâmpadas queimadas, terrenos baldios e pontos de risco para crimes. Dessa forma eu poderei cobrar da Prefeitura, que tem sido uma grande parceira, que tome as medidas necessárias quando for de sua competência”.

 
Vereador Alfredo Andrade (PSB). (Foto: André Damasceno)  

Para o presidente da Associação de Moradores de Parafuso, a implantação da ronda monitorada supera o fato do módulo policial ter sido fechado. “A comunidade se sentiu desprotegida quando o módulo foi fechado. Mas, com este projeto acontecendo aqui em Parafuso, será bem melhor do que o módulo, pois os policiais não poderão ficar parados dentro do módulo, dormindo ou assistindo televisão. Eles terão que andar pela comunidade, aumentando a nossa segurança”, disse Gilberto.

Alfredo Andrade ainda parabenizou o tenente coronel pelo projeto. “Muito nos gratifica saber que um projeto como este, que tem reduzido e muito os índices de ocorrências na cidade, foi criado pelo comandante do batalhão da policia militar de nossa cidade. Isso mostra que temos uma pessoa competentíssima cuidando de nossa segurança”, disse.

ROME e BMAP

 
Kit do bastão eletrônico. (Foto: André Damasceno)  

O projeto da Ronda Ostensiva de Monitoramento Eletrônico e o Bastão de Monitoramento de Ações Policiais foi inaugurado em Camaçari no início do segundo semestre deste ano em Camaçari. O sistema consiste num bastão, alguns chips (semelhantes a pilhas de relógio), um bastão de reconhecimento e um notebook com um software especial.
Os chips são instalados nos pontos comerciais, escolas, hospitais e demais estabelecimentos.

Em seguida estes pontos são cadastrados com base em estratégia de campo e depois inseridos no percurso de ronda dos policiais, que devem passar em cada local dentro do tempo programado. Chegando no estabelecimento ele precisa conectar o bastão ao chip para gravar a hora exata que esteve no local, e informar se houve ocorrência, que tipo de ocorrência e o procedimento tomado.

No final do dia todos os dados são descarregados no notebook, através do software desenvolvido especialmente para o serviço, e enviados para o comando do batalhão. Lá os dados são computados, transformados em índices e analisados para futuras ações da polícia militar.

De acordo com o tenente coronel Castro, “no início os policiais ficaram receosos com o BMAP, pois acharam que ele serviria mais como um dedo-duro. Contudo, hoje eles fazem questão de estar com o bastão, pois eles se sentem mais úteis, uma vez que têm um rota para cumprir. Sem contar que eles passam a ser vistos pela sociedade como amigos da comunidade, que trabalham e estão lá para cumprir cm seu dever”.

Comentários

*Todos os comentários são moderados. Isso quer dizer que nós lemos todas opiniões e damos preferência para aquelas que agregam mais informação, que tenham personalidade e que não ataquem o autor ou outros leitores do site. O seu email não será publicado ou comercializado.*